• Categoria do post:Turismo

San Marino, um microestado de 24 milhas quadradas, com uma população de 33.562 habitantes, é um destino turístico em expansão, com um crescimento de 31,1% no turismo em 2017.

San Marino, um microestado enclavado de 24 milhas quadradas no norte da Itália, com uma população de 33.562, é um destino turístico em expansão, com um crescimento de 31,1% no turismo em 2017. Atualmente, a pequena nação, que tem a menor população de todos os membros do Conselho da Europa, também é classificado como o destino turístico europeu que mais cresce na Europa. Outros países na lista de destinos turísticos europeus de crescimento mais rápido incluem Geórgia, Azerbaijão e Bósnia e Herzegovina.

San Marino, que não tem litoral, lista selos postais e moedas como algumas de suas principais fontes de receita. A popularidade repentina do país é inédita desde o ano passado, teve quase três vezes mais crescimento turístico do que a Itália, país que o cerca. De acordo com a Bloomberg, San Marino registrou 78.000 chegadas de turistas em 2017. Embora esse número seja insignificante em comparação com os quase 90 milhões de pessoas que visitam a França a cada ano, é um aumento maciço para o diminuto estado.

As atrações em San Marino incluem inúmeros castelos no topo de penhascos, bem como um centro histórico e o Monte Titano, que estão na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO. A Guaita, a Primeira Torre de San Marino, datada do século XI, serviu como prisão que fechou em 1970 e é atualmente um dos marcos mais visitados do país. San Marino, classificado como um dos países mais ricos do mundo, tinha um PIB per capita de US$ 61.169 em 2017.

Um dos destaques do país é o Museo di Stato, o Museu Nacional, que data de 1899. Localizado no Palazzo Pergami Belluzzi, abriga um acervo de quase cinco mil peças, muitas relacionadas à nação e sua história.

Os artefatos do museu se estendem do Neolítico à Idade Média e incluem as estátuas de bronze de Tanaccia e o garanhão de ouro do Tesouro de Domagnano, pinturas e esculturas de Guercino e pinturas do século XVII e moedas antigas de San Marino, bem como artefatos do antigo Egito, Itália e Roma.

O principal benfeitor do acervo do museu foi o conde italiano Luigi Cibrario, ministro do Reino da Itália e consultor do governo de San Marino desde 1862. O conde Cibrario foi o primeiro cidadão a doar ao museu. Suas contribuições incluem documentos bibliográficos antigos de sua coleção particular.