• Categoria do post:Turismo

Depois de vários incidentes de turistas profanando locais sagrados, Bali está considerando proibir os biquínis para manter sua cultura segura.

Não é por acaso que, quando os maiôs minúsculos de duas peças foram introduzidos logo após a Segunda Guerra Mundial, o vestuário recebeu o nome de Bikini, em homenagem a um atol nas Ilhas Marshall, no Pacífico, onde testes de bombas nucleares estavam sendo conduzidos. Os biquínis são uma segunda natureza hoje em dia, mas não depois de uma série de bombas de moralistas irados ao longo dos anos.

A mais recente indignação vem do governo de Bali, que aparentemente está tão chocado com a presença de mulheres usando esses itens pegajosos nas praias da ilha indonésia que os legisladores estão atualmente elaborando uma legislação que proíbe totalmente os trajes de banho. No entanto, é tanto o guarda-roupa pequenininho que incomoda os políticos de Bali quanto o aparente mau comportamento de turistas posando para selfies com esse traje em frente a marcos sagrados.

Algumas selfies que surgiram nas redes sociais mostram mulheres de biquíni se debruçando sobre monumentos de templos e outras figuras sagradas. Outros os simulam posições amorosas que fazem com que alguns funcionários considerem as imagens blasfemas. E com mais turistas de outros países descobrindo Bali como um local de fuga ideal, alguns moradores comentaram que o nível de educação caiu para níveis ainda mais baixos. Em 2018, cerca de cinco milhões de turistas visitaram a ilha.

No início deste ano, a polícia lançou uma investigação para encontrar um casal dinamarquês responsável pelo que eles chamam de profanação de um monumento no templo Puhur Luhur Batukara. Um dos turistas foi fotografado sentado no santuário, que os locais chamam de Hinggih Padmasana. O trono é considerado sagrado e não deve ser sentado, pois é reservado para o deus supremo que governa de acordo com as escrituras hindus balinesas. Um mortal ocupando aquele assento é visto como cometendo blasfêmia e é severamente reforçado pela lei no país.

RELACIONADOS: 10 coisas para explorar em Bali (10 que são superestimadas)

Em 2017, turistas fizeram poses provocantes em frente a uma erupção do Monte Agung, considerado um vulcão sagrado. E em 2016, um fotógrafo capturou a imagem de uma mulher de biquíni em posição de ioga na entrada de um templo.

Por causa desses incidentes, as autoridades locais estão ponderando sobre as possibilidades de restringir o acesso a locais sagrados, inclusive tornando obrigatório que as autoridades acompanhem os turistas a esses locais. Outros estão considerando tornar os sites inacessíveis a visitantes estrangeiros.