• Categoria do post:Turismo

Os iglus estarão disponíveis apenas por um curto período de tempo, já que abril é o único mês do ano em que os aventureiros podem viajar com segurança para o Pólo Norte.

Em abril próximo, o North Pole Igloos Hotel será inaugurado, permitindo que os hóspedes passem a noite em uma das dez cúpulas aquecidas. Os iglus estarão disponíveis apenas por um curto período de tempo, já que abril é o único mês do ano em que os aventureiros podem viajar com segurança para o Pólo Norte. O destino, que pode ser alcançado de helicóptero, atrai apenas mil pessoas por ano.

De acordo com Janne Honkanen, fundadora da Luxury Action, que oferece experiências de viagem personalizadas e sofisticadas na Finlândia, Lapônia e outros países nórdicos, também há iglus disponíveis nas geleiras de Svalbard – o arquipélago a meio caminho entre a Noruega e o Pólo Norte – em outras épocas Do ano.

Os iglus aquecidos, que foram testados em condições climáticas extremas do Ártico, apresentam teto e parede de vidro que permitem aos hóspedes desfrutar plenamente da natureza ao redor, bem como experimentar a aurora boreal. “Dependendo das condições climáticas, movemos os iglus de vidro aquecido para os locais mais seguros ao redor das geleiras do Ártico”, diz Honkanen, que também administra o Octola, um resort privado cinco estrelas. “O hotel North Pole Igloos é móvel e sustentável, mas ainda um pouco radical.”

O hotel iglu, localizado na isolada tundra do Ártico, custa a partir de US$ 52.792 por pessoa para uma estadia de três noites. A opção Pólo Norte, que começa em $ 104.484 por pessoa, inclui duas noites em Svalbard, uma cidade remota entre a Noruega e o Pólo Norte, um voo de ida e volta para o Pólo Norte, uma noite no Pólo Norte no hotel iglu e acampamento gerente, guia selvagem ártico, chef e serviços de segurança. Os próprios iglus são projetados para serem portáteis caso o tempo mude.

Durante o dia, os hóspedes podem desfrutar de passeios turísticos ao redor de uma geleira, interagir com comunidades indígenas que vivem nas regiões polares e cientistas árticos que trabalham nas proximidades e observar focas, ursos polares e outros animais selvagens.

Alguns especialistas alertaram sobre o impacto que as viagens ao Ártico podem ter no meio ambiente. “Acho que é uma oportunidade muito interessante, mas espero que alguém que tenha tanto dinheiro também esteja disposto a ser responsável pela compensação de carbono em uma viagem como esta, que teria uma enorme pegada de carbono”, disse Shannon Stowell, CEO da Associação Comercial de Viagens de Aventura.

Honkanen, no entanto, diz que sua empresa compartilha as preocupações com o meio ambiente e as mudanças climáticas, lembrando que o hotel e sua pegada de carbono serão completamente removidos no final de cada temporada. Ele também acredita que os hóspedes podem ajudar a educar outras pessoas sobre a necessidade de preservar o Ártico, bem como seus animais e natureza.